CURITIBA – Os holofotes do mundo das danças urbanas estão preparados para se voltarem para Curitiba. Pela 16ª vez, a cidade é palco do FIH2, o maior evento de danças e expressões urbanas da América Latina. Entre os dias 7 e 9 de julho, cerca de 45 mil pessoas devem passar pelo evento, que contará com mais de 4 mil dançarinos, no ExpoUnimed. O espetáculo especial de abertura e as apresentações acontecem no Grande Auditório do Teatro Positivo.

As companhias de dança que irão se apresentar no FIH2 passaram por seletivas em 44 cidades, de sete países, garantindo ao festival um padrão internacional de qualidade, mantendo o evento como o maior da América Latina no gênero.

O idealizador e organizador do evento, Octávio Nassur, lembra que o FIH2 surgiu da necessidade de se ter um festival dedicado exclusivamente às danças e expressões urbanas. “Não havia um espaço especializado e os dançarinos do gênero se apresentavam e eram avaliados por especialistas em outros tipos de dança”, recorda. De lá para cá, são 15 anos de história e mais de 21 mil dançarinos que já se apresentaram nos palcos do evento para mais de 110 mil espectadores.

Mas o FIH2 não fica só ao redor do palco. Além das apresentações de dança, que acontecem à noite, o público conta com uma programação completa durante o dia todo. São palestras e workshops com renomados coreógrafos internacionais, laboratórios e campeonatos de dança.

 

Além disso, este ano, o festival pretende colocar a cidade no roteiro latino-americano de entretenimento com o Curitiba Divercity, evento que vai congregar inúmeras atividades relacionadas ao universo das expressões urbanas. Comportamento, cultura, música, moda e educação serão tratados em encontros com especialistas e profissionais do universo cultural, com palestras e workshops para todas as idades. Temas como economia criativa e inteligência emocional serão tratados em conversas com grandes expoentes do mercado, a fim de promover a formação de pessoas qualificadas a atuarem profissionalmente no mundo da cultura. Além de atividades formativas, o público encontra expositores e apresentações artísticas, em um ambiente repleto de cultura, música e moda.

A intenção é formar um pensamento que vai além da dança. “Só dançar, não resolve. A formação deve ir além da performance”, aponta Octávio, que busca, ano a ano, aprimorar uma programação que possa contemplar todas as demandas para uma formação que possibilite levar os dançarinos a viver a dança como profissão e não apenas como hobby.

A programação completa do evento, assim como inscrições para os workshops e outras atividades do Curitiba Divercity, estão disponíveis no site www.fih2.com.br.

Santa Rosa no FIH2

Dois grupos de Santa Rosa foram classificados para o FIH2: CIA de Dança Reuci Dance, coordenado pela professora Reucieli Benatti, com a coreografia “Tendências“, idealizado por Augusto Follmann; e o grupo Zero Dance Crew, coordenado e coreografado por Dudu Alcântara, com coreografia “Stamina“.

Reucieli Benatti falou com a reportagem e afirmou estar muito feliz pela classificação. O grupo disputará a “competição Sênior”, com 18 integrantes na faixa etária entre 15 e 17 anos.

*Com  informações do site Dança em Pauta

Pin It on Pinterest

Share This