de Janaina Hübner do COMIN*

“Infelizmente 2018 iniciou com a perda do  professor Marcondes Namblá para a violência. Um exemplo de liderança Laklãnõ/Xokleng, que trabalhava durante o ano como professor na Escola Indígena de Educação Básica Laklãnõ, em José Boiteux (SC), na Terra Indígena Laklãnõ, e neste fim de ano trabalhava temporariamente na praia de Penha. Um ser humano que lutava pelo fortalecimento da cultura de seu povo. Formou-se na Licenciatura Intercultural Indígena na UFSC, trabalhava como orientador da língua Laklãnõ na escola indígena, foi voluntário em aulas de violão na língua, para incentivar as crianças a continuarem falando o seu idioma, era juiz interno da comunidade Laklãnõ/Xokleng e tinha muitos projetos conectados com esta caminhada para o futuro, para o bem do seu povo. Este homem foi brutalmente assassinado a pancadas na madrugada do Ano Novo, na praia de Penha. Foi encontrado desacordado na areia da praia e encaminhado ao hospital, onde não resistiu aos ferimentos.
O que levou seres humanos a cometerem tamanho ato de maldade? Quem foi capaz de assassinar outra pessoa assim?
Há um ano um bebê, Vitor Kaingang, do povo Kaingang, foi degolado no colo de sua mãe, em uma rodoviária do litoral.
O que leva pessoas a terem tanto ódio? Ou o que leva pessoas a acharem que tem o direito de tirar a vida das outras? O que leva pessoas a acharem que somente um modo de viver (o seu) é o correto? Que país é esse?
Não é possível ignorar a injustiça. Não é possível desejar que uma sociedade permaneça dessa forma. É necessário transformar. É necessário sermos melhores. É necessário desejar a vida, o bem, a justiça, o amor, a liberdade, o direito de cada um ser da forma que é. Isso é tão difícil?”

O COMIN

O Conselho de Missão entre Povos Indígenas (Comin) é um órgão da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB). Foi criado em 1982, com a finalidade de assessorar e coordenar o trabalho da IECLB com os povos indígenas em todo Brasil. Para atender este objetivo, o Comin se faz presente junto a alguns povos e comunidades indígenas, criando parcerias e dando apoio nas áreas da educação, saúde, terra, organização e auto-sustentação. O Comin tem como princípio e compromisso apoiar as prioridades colocadas pelos povos e comunidades indígenas, respeitando seu jeito de ser e sua cultura, trabalhando com eles e não por eles.

Os trabalhos do Comin são realizados por um grupo de profissionais nas áreas de pedagogia, teologia, pastoral, direito, enfermagem e medicina, assistência social, agronomia e outras, em sete Campos de Trabalho.

>> Para saber mais, acesse: http://comin.org.br/

Pin It on Pinterest

Share This