Programação

03 de maio – Espetáculo “SE EU FOSSE IRACEMA”

1COMUN Coletivo (RJ)

 

“Se eu fosse Iracema” propõe um olhar sobre o universo indígena brasileiro, transitando entre a tradição e a sua situação atual. O espetáculo usa referências que vão de mitos e rituais de várias etnias originárias do país a aspectos como a demarcação de terras e outros direitos fundamentais, muitas vezes negligenciados. O monólogo, primeira pesquisa de linguagem do 1COMUM Coletivo, com atuação de Adassa Martins, dramaturgia de Fernando Marques e direção de Fernando Nicolau, questiona-se: qual a real possibilidade de convivência entre as diferenças?

Duração: 60 minutos

Classificação: 14 anos

14 de agosto – Espetáculo “CHOCOBROTHERS”

Chocobrothers (SP)

 

Chocobrothers é um espetáculo divertido que agrada a todo o tipo de público. Repleto de ritmo, brilho e glamour, combina diferentes técnicas circenses como barra fixa, malabarismos e equilíbrio, com grandes doses de humor. O cenário auto-portante funciona também como base para os números acrobáticos. O roteiro bem humorado, coloca os personagens Jeniffer, James e Brian em situações embaraçosas e muito engraçadas, onde as virtuoses se destacam em meio às cascatas e confusões. E ainda conta com uma trilha sonora muito especial composta por músicas dos anos 70.

Duração: 50 minutos

Classificação: livre

29 de setembro – Espetáculo “A MULHER ARRASTADA”

Dramaturgia Diones Camargo (RS)

 

Inspirada no caso real ocorrido no Rio De Janeiro em 2014, a peça narra os últimos momentos de Cláudia Silva Ferreira – mulher negra, pobre, 38 anos, auxiliar de serviços gerais, mãe de 4 filhos biológicos e 4 adotivos –, brutalmente assassinada pela Polícia Militar ao sair de casa para comprar pão para sua família. Após ser baleada, seu corpo foi atirado às pressas no camburão da viatura e arrastado ainda com vida em meio ao tráfego da capital fluminense, sob o olhar horrorizado de motoristas e pedestres. Entrelaçando fato verídico e criação ficcional, a montagem mostra a figura trágica de Cláudia reivindicando o que durante a cobertura jornalística do caso foi aos poucos apagado: o seu nome, elemento este que foi substituído pela impessoal, violenta e cruel alcunha de “Mulher Arrastada”.

Duração: 50 minutos

Classificação: 14 anos

04 de outubro – Espetáculo “TRAGA-ME A CABEÇA DE LIMA BARRETO”

Cia dos Comuns (RJ)

 

Inspirada livremente na obra de Lima Barreto (13/5/1881*1/11/1922), especialmente em Diário Íntimo e Cemitério dos vivos, “Traga-me a cabeça de Lima Barreto” é um monólogo teatral, com interpretação de Hilton Cobra, autoria de Luiz Marfuz e direção de Fernanda Júlia, que reúne trechos de memórias impressas em suas obras, entrecruzadas com livre imaginação. O texto fictício tem início logo após a morte de Lima Barreto, quando eugenistas exigem a exumação do seu cadáver para uma autópsia a fim de esclarecer “como um cérebro inferior poderia ter produzido tantas obras literárias – romances, crônicas, contos, ensaios e outros alfarrábios – se o privilégio da arte nobre e da boa escrita é das raças superiores?”. A partir desse embate com os eugenistas, a peça mostra as várias facetas da personalidade e da genialidade de Lima Barreto, sua vida, família, a loucura, o alcoolismo, sua convivência com a pobreza, sua obra não reconhecida, racismo, suas lembranças e tristezas.

Duração: 60 minutos

Classificação: 14 anos

Todos os espetáculos, com exceção do Chocobrothers que será realizado na Unijuí, acontecerão no Teatro do Sesc.

Para todos os espetáculos, exceto para a Oficina que será gratuita, serão praticados os mesmos valores de ingressos:

R$15,00 – categoria comércio e serviços

R$30,00 – comunidade em geral

Pin It on Pinterest

Share This