Vereadores denunciam à Comissão de Educação fechamento de escolas e remanejamento de alunos

Publicado em: 17/10/2019

foto: Eduardo Silveira

 

PORTO ALEGRE (RS) - O presidente da Comissão de Segurança e Serviços Públicos do Legislativo (CSSP), deputado estadual Jeferson Fernandes (PT) acompanhou os vereadores Dado Silva (PT), Márcia Carvalho (PT) e Sônia Conti (PCdoB), de Santa Rosa, em reunião com a presidente da Comissão de Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia, deputada Sofia Cavedon (PT). O encontro, que ocorreu na manhã desta quarta-feira (16), foi articulado por Jeferson para denunciar o fechamento e o remanejamento de alunos de escolas de comunidades distantes naquele município, sem consulta à comunidade e sem preservar os interesses das crianças envolvidas. O parlamentar já havia feito a denúncia via redes sociais na semana passada, com grande repercussão. “É um absurdo o governo do estado fazer economia prejudicando a vida das pessoas. São crianças, muitas de baixa renda, que iam a pé para a escola e passarão a usar transporte coletivo para ir para uma comunidade mais distante. Isso gera uma série de problemas, inclusive risco de violência”, adiantou Jeferson.

Os vereadores narraram o caso da Escola Estadual de Ensino Fundamental Mercedes Motta, no centro do município, da qual a Coordenadoria Regional de Educação pretende retirar alunos do 6º ao 9º ano do ensino fundamental para inseri-los na Escola Estadual de Ensino Fundamental Tiradentes, no bairro Planalto. De lá, então, estudantes do 1º ao 5º ano do ensino fundamental seriam remanejados para a Escola Mercedes Motta. “A escola Mercedes Motta oferece turno integral para crianças de várias partes de Santa Rosa, inclusive muitos filhos de apenados. Vamos tirar crianças pequenas do bairro e deslocar para o centro e tirar crianças do centro e deslocar para o bairro sem entender as necessidades deles e de suas famílias”, alertou Dado.

Sônia Conti lembrou da situação da Escola Estadual de Educação Básica Cruzeiro, que fica no bairro de mesmo nome. À comunidade escolar local, a coordenadoria regional teria determinado escolher entre manter o Ensino de Jovens e Adultos (EJA) noturno ou o Ensino Médio. “O argumento do governo é de que há muita reprovação. Mas o fato é que tem demanda de alunos para ambos. É um bairro de trabalhadores. São 20 mil pessoas no bairro Cruzeiro”, destacou a vereadora Sônia. Além disso, como lembrou a vereadora Márcia, há o impacto nas escolas que terão de receber os estudantes remanejados. “Muitas já estão com turmas lotadas, algumas até com filas de espera. Como irão absorver esta demanda? Isso desorganiza não só a vida destas famílias, a rotina dos alunos, mas a organização pedagógica”, reforçou.

Jeferson chegou a entrar em contato com a promotoria de Justiça responsável pelo setor educacional na região. “Conversei por mensagens com o promotor, que atua em Santo Ângelo. Ele se mostrou surpreso com o remanejo de crianças e se ofereceu para ir a Santa Rosa acompanhar a situação”, contou o deputado.

A presidente da Comissão de Educação disse acompanhar situações semelhantes na região das Missões. Ela contou que a CECDCT, inclusive, irá promover audiência pública sobre o tema em São Luiz Gonzaga. “Penso que, na sequência de São Luiz, podemos fazer diligência ou mesmo uma audiência em Santa Rosa para tratar desta questão. É um absurdo o que está acontecendo”, assinalou a deputada Sofia. ‘’

Por fim, o grupo entregou à deputada documentos contendo informações das escolas relacionadas e das providências determinadas pelas Coordenadoria.