Coluna do Orlando #03

Coluna do Orlando #03

COLUNA DO ORLANDO – Confira os comentários de Orlando Desconsi. Nesta semana ele aborda questões alusivas à Reforma da Previdência. Acesse e saiba mais!

Vitor Ramil na Avenida Angélica

Vitor Ramil na Avenida Angélica

PORTO ALEGRE (RS) – Vitor Ramil estreia shows de voz e violão, nesta sexta-feira, 5, sábado e domingo, no Theatro São Pedro. O compositor apresenta pela primeira vez em público as canções que vem compondo sobre (ou sob) versos da poeta pelotense Angélica Freitas. CONFIRA!

Coluna do Orlando #02

Coluna do Orlando #02

COLUNA DO ORLANDO #02 – Confira a coluna de Orlando Desconsi. Impedido de publicar suas opiniões em veículo local de comunicação – a Gazeta Regional, Desconsi passou a divulgar seus textos no site da Revista Afinal com grande repercussão. Acesse e confira!

Santo Ângelo ganha Associação Cultural e Artística

Santo Ângelo ganha Associação Cultural e Artística

SANTO ÂNGELO (RS) // Com o objetivo de supervisionar e fomentar o
desenvolvimento do cenário artístico-cultural nas Missões, artistas fundaram organização que vai envolver as áreas de fotografia, música, dança, teatro, artes plásticas, audiovisual e afins. ACESSE e CONFIRA!

Não Eventos

Períodos

Editorias

Eventos

  • Nenhum evento

Facebook

Em uma República, nenhum poder é maior do que o dado aos juízes. Do suposto que será exercido com imparcialidade, o Estado os permite fundamentar decisões que podem restringir liberdade ou retirar bens de pessoas, apenas argumentando que algo é verdadeiro, legal e justo.

É por isso que o juiz, salvo em Estados totalitários ou de exceção, não pode agir de oficio, pois corre o risco de perder a imparcialidade, fundamental para que possa pautar sua atividade pela legalidade estrita.

Notícias veiculadas na imprensa e não desmentidas, mostram claramente que Sérgio Moro deixou de ser juiz há muito tempo. Virou político. E um político extremado, declaradamente contrário às garantias que fundamentam a função que exerceu e jurou respeitar.

As pessoas que defendem seus atos o fazem porque se veem como coautoras no papel de justiceiras agindo contra seus desafetos.

Duvido que qualquer indivíduo sensato, por mais honesto que fosse, dormiria tranquilo se soubesse que um juiz, com todo o poder que ele tem - e apoiado pelas instituições que deveriam controlá-lo - é seu inimigo e está fazendo uso da função em que foi investido para tramar contra si. (do professor Paulo Joel Bender Leal)
... Ver maisVer menos

Ver no Facebook

www.revistafinal.com ... Ver maisVer menos

Ver no Facebook

Pin It on Pinterest

Share This